segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017





O Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) atingiu no final de dezembro de 2016 a marca de R$ 2 trilhões. O valor representa o total de impostos, taxas e contribuições pagos pelos contribuintes desde o início do ano passado. A primeira vez que o painel registrou a cifra foi em 2015, no dia 30 de dezembro.

“Pelo segundo ano consecutivo, o Impostômetro chega a R$ 2 trilhões. Mas, nesses dois anos, o PIB caiu mais de 7% e a atividade econômica se retraiu muito. E mesmo assim chegamos a esse montante, em razão da inflação alta no período”, afirma Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp). Ele completa que, com preços mais altos, os valores arrecadados em tributos também crescem, uma vez que incidem sobre os preços finais.

A projeção é que o Impostômetro feche o ano de 2016 com arrecadação de aproximadamente R$ 2,004 trilhões.

“Neste ano de 2017, esperamos uma inflação menor e um nível de atividade maior, o que deve beneficiar a arrecadação, sem a necessidade de aumento de impostos”, comenta Burti.

Outra observação do presidente da ACSP é a necessidade de corte de gastos por parte do governo. “Foi correto aprovar a PEC do Teto para que haja um controle sobre o gasto, o que vai ajudar o Brasil a recuperar sua economia e retomar o caminho do crescimento sustentável”.

0 comentários:

Postar um comentário

O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.