sexta-feira, 8 de abril de 2016

Um total de 9.884 servidores baianos vão receber o Prêmio por Desempenho Policial (PDP), pago pelo Governo do Estado na folha de maio. Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), a premiação é referente ao ano de 2015 e o investimento será de R$ 15 milhões.
Os servidores que vão ganhar gratificação fazem parte das 21 Áreas Integradas de Segurança Pública (Aisp) que conseguiram bater a meta de redução de 6% no número de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs). Os dados são de 2015, em relação a 2014.
Os servidores terão direito a 50% do PDP, mas poderão receber 75% do valor do prêmio se a AISP que integram fiz parte de uma Região Integrada de Segurança Pública (Risp) que também tenha superado a meta de redução de mortes. Quatro Risps bateram as metas - Atlântico e Central, que ficam em Salvador, RMS e Sul.
“Implantamos na polícia baiana uma metodologia que dá certo em grandes empresas do setor privado. É uma profissão estressante, com altos riscos e que exige uma dedicação 24 horas. O PDP busca motivar e valorizar esse importante serviço público”, diz em nota o secretário da Segurança, Maurício Barbosa.
Os CVLIs incluem homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. Na Bahia, a diminuição total na Bahia deste dado foi de 1,1% no ano passado. As regiões que atingiram a meta de reduzir os CVLIs em pelo menos 6% foram as seguintes:
Pituba (-57,1%), Santa Maria da Vitória (-28,9%), Lauro de Freitas (-25,5%), Brumado (-24,3%), Rio Real (-23,8%), Ilhéus (-22,3%), Eunápolis (-21,5%), Itapuã (-21%), Tancredo Neves (-20,7%), Feira de Santana (-20%), Pojuca (-17,3%), Dias D’Ávila (-16%), Itabuna (-13,6%), Liberdade (-13,1%), Camaçari (-12,2%), Guanambi (-8,3%), Brotas (-6,8%), Cruz das Almas (-6,8%), Nordeste de Amaralina (-6,7%), Simões Filho (-4,9%) e Vitória da Conquista (-4,1%).
Pituba
A Aisp da Pituba foi o que apresentou o melhor resultado. Segundo os dados da SSP, a redução foi de 57,1% na comparação com 2014. Para a titular da 16ª Delegacia (Pituba), delegada Maria Selma, a agilidade na resolução dos inquéritos, as prisões e o trabalho em equipe foram essenciais para ajudar na redução dos números de CVLIs.

“Conseguimos reduzir o número de inquéritos porque a gente investiga, a gente prende e encaminha logo para a Justiça. A sensação de impunidade é o que dá espaço para o meliante agir. Quando ele percebe que se praticar o crime será preso, ele não faz. O nosso trabalho é integrado com a Polícia Militar, o que é essencial”, afirmou.
O comandante da 13ª Companhia Independente da Polícia Militar (Pituba), major Elbert Vinhático, também destacou o trabalho em parceria entre as policiais. Ele apontou as blitze como outro elemento responsável pela redução no número de crimes.
“Intensificamos as blitze, são duas por turno, pela manhã, tarde e noite. Além disso, contamos com apoio de outras unidades, como a Operação Apolo. O patrulhamento em motocicletas também é bastante eficiente”, afirmou.
População
Tanto a delegada, quanto o comandante da PM destacaram a participação popular como um fator indispensável para manter os bons resultados. “Existe um conselho de segurança no bairro e essa discussão nos ajuda a adotar as melhores estratégias. Ao invés de ligar para o 190, por exemplo, a população entra em contato direto com a gente, o que ajuda a diminuir o tempo para uma resposta”, disse o major.

Para facilitar a integração entre as duas esferas policias foi criado um grupo de whatsapp, onde os investigadores e PMs trocam informações. “Através das prisões a gente identifica esses elementos, quem são e onde agem. A maioria dos meliantes que prendemos são do Subúrbio, da Polêmica, em Brotas, e de Pernambuês. O trabalho integrado torna as polícias mais fortes e a sociedade todo mundo ganha”, concluiu a delegada. 
A reportagem não conseguiu contato com o comandante da 35ª CIPM (Iguatemi) que também atua na Aisp da Pituba. 
correio de 

0 comentários:

Postar um comentário

O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.